11 de agosto de 2019

Um estrangeiro em mim!

Sou Lisa, diminutivo de Elisa, tenho 24 anos; acreditava que tinha muito para viver! Chamam-me assim porque meus pais o fazem desde pequena, mas é uma forma carinhosa (não pejorativa)! 

Todos os que conheço e amo me chamam dessa forma (e eu gosto), também o fazem àqueles que passam algum tempo fazendo parte do meu círculo imenso de amizades e até meus seguidores.

Sou uma comediante, muita gente me adora; mas também sou muito odiada porque falo o que penso e ademais tenho uma certa intolerância com pessoas de algumas nacionalidades (mais de umas, que de outras); também pela sexualidade, cor e crença distinta da minha!  

Menina feliz - imagem ilustrativa, não condiz com o conto. Por Pixabay grátis

Todavia, mesmo assim sigo sendo querida, seguida e adorada por muita gente, afinal sou bonita e engraçada; na verdade perfeita para os padrões atuais!

Recentemente, por um desmaio súbito, descobri uma enfermidade cardíaca que pode me matar a qualquer momento se seguir sendo a pessoa proativa que sou - aliás, segundo os médicos (pedi segundas e terceiras opiniões) qualquer esforço maior poderei, literalmente, "bater as botas". Logo, terei que reduzir tudo que faço a menos de um terço - inclusive minhas aparições em festas, meus monólogos de comédia e, sem dúvida a academia que me ajudou a ser a celebridade que hoje sou (perfeita fisicamente), terei que parar.

Os dias passam e começo a ter depressão por estar quase sedentária e permanentemente em casa!

Já não sou a mesma de antes; milhares ainda me seguem, mas estão sempre a perguntar o que se passa comigo?  

Por que desapareci?  

Por que não posto mais os meus shows, minhas fotos de malhação e viagens?

Penso, mas não respondo! Sequer estou podendo pagar alguém para ficar administrando minhas redes sociais; tenho que economizar porque posso precisar do dinheiro e meus pais nunca foram ricos; ultimamente eu os sustentava com minha fama na internet, meus shows, publicidades e aparições em público!

Agora, que será de nós?

Estou fraca e para piorar estou com uma depressão que não me deixa sair da cama! Afortunadamente não tenho vontade de praticar suicídio, sempre fui muito otimista e amo a vida; gostaria de voltar a ser quem era!

O tempo passa e eu na fila do transplante; logo eu que era totalmente contra doação de órgãos! Uma piora súbita e eu vou parar em um hospital - os dias vão passando, o dinheiro diminui e nada de órgão chegar; dependo da morte de alguém compatível comigo para seguir viva!

Um aviso chega aos meus pais e eu acabo sabendo: Estamos ficando endividados, não podemos mais manter-me a mim em um hospital privado! 

Eles irão me transferir para um hospital do S.U.S.

"Sorte a minha" que vivo em uma grande cidade do Brasil - há vários hospitais públicos meia-boca, mas a prioridade é para quem está como eu estou - à beira da morte, e agora a primeira da fila em aparecendo alguém compatível!

Felizmente consegui a vaga em um desses hospitais públicos, tudo por influência minha (os médicos gostavam de mim como "celebridade" que era), assim que intercederam conseguindo esta vaga no SUS; o jeitinho brasileiro que passam por todos os âmbitos do país, também foi validado por mim como usuária: e pensar que tinha asco de hospitais públicos, agora era feliz por poder utilizá-lo!

Melhor que a morte, certeza que era!

Então fui ficando. Não podia voltar para casa porque não tinha como seguir viva sem os aparelhos públicos que se ligavam a mim!

Mal conseguia falar com meus pais (só uma vez por dia, em hora de visita, e rápido); mesmo assim, fiquei sabendo que durante o tempo em que estava alí, dois corações haviam aparecido, mas não eram compatíveis comigo!

Chorei, mas não desesperei! Torci e rezei para que mais alguma alma boa morresse, fosse doadora e compatível comigo! 

O que queria era viver - não importava de onde viesse o doador!

Parece que o Deus em que eu acreditava estava comigo!  Depois dessa tristeza e desesperação em prol da morte de outro ser humano, uma "boa notícia" chegou!

Uma pessoa bastante jovem, apenas um ano mais velha que eu havia falecido em um acidente, teve morte cerebral, era doador e tinha o coração perfeito para mim - compatível e em super bom estado (não era fumante, não era alcoólatra e melhor - era quase um atleta; estava em plenas condições de saúde)!

Assim que Lisa não se conteve! Estava plena e feliz; super confiante que tudo daria certo, e deu!

A operação foi um sucesso!

Em alguns dias ela já estava em casa se recuperando e fazendo tudo que os médicos aconselharam!

Mas, algo passou!

A depressão seguia com ela e agora tudo em que acreditava havia desaparecido!

- Por que alguém teve que morrer para que eu seguisse viva?

- Por que o 'universo' preferiu a mim, que a esta pessoa que faleceu?

- Sou mais importante?  Sou mais útil?  Sou mais merecedora?

Todas essas perguntas apareceram, mas nenhuma resposta surgiu!

Então Lisa foi procurar, investigar quem era o ser humano gentil e bondoso, que em vida decidira por doar-se, caso morresse! 

Não entendia isso porque sempre foi contra doações de órgãos, tecidos e medula, mas agora era diferente - queria saber porque alguém é assim, porque as pessoas agem dessa forma (se comprometem a doar, independentemente, de quem vá receber)!

Queria ser assim, talvez, descobrindo acabasse com a depressão que seguia com ela, mesmo com coração forte estava sem forças para viver a vida de antes!

Foi em busca de resposta, e mais uma vez, por sua influência passada acabou conseguindo saber quem era o doador!

Tratava-se de um imigrante haitiano, um jovem corredor; um atleta de várzea - um iniciante na vida esportiva que durante uma corrida pelas ruas da cidade, onde estava albergado, fora atropelado e deixado no solo em meio ao sol; felizmente, para Lisa, ele foi socorrido, mas teve morte cerebral em um hospital com estrutura suficiente para retirada de órgãos!

O menino era doador e seus pais não se fizeram rogados: doaram tudo que podiam (olhos, rins, fígado e coração).

O garoto negro, de 25 anos, 1m80cm, já havia corrido em seu país e ganhado alguns troféus; por isso, aqui estava treinando para uma corrida de longa distância! A finalidade principal não era se fazer famoso e rico, mas apenas ganhar algum dinheiro para ele, os pais e irmãos que viviam albergados, com quase nada para sobreviver no Brasil!

Ao saber disso Lisa chorou muito; sentiu que partira o coração que havia dentro de si!

Uma pessoa, de uma das nacionalidades e cor que ela odiava, havia doado vida a ela!

Tinha que fazer algo; não poderia seguir sendo a pessoa que foi!

Sabia que agindo diferente perderia muitos seguidores e admiradores (até porque a maioria era igual a ela - fútil, vazia, preconceituosa, racista e xenófoba)! 

No entanto, foi em frente!  Desde então é outra pessoa! Respeita a opinião alheia; a sexualidade, nacionalidade, crença e todas as diferenças que o ser humano possa ter!  

Entendeu que, apesar de sermos diferentes temos uma só essência - somos todos seres humanos; quando menos esperamos, quando a vida nos vai de maravilha é nessa hora que podemos 'cair' nas mãos de um médico negro, amarelo, de outra nacionalidade ou ter dentro de nós parte de alguém que se víssemos na rua nos causaria raiva e asco, pelo simples preconceito que carregamos em nossas almas escuras e impiedosas!

Hoje Lisa dá palestras pelo mundo; virou ativista dos Direitos Humanos e buscadora, conscientizadora da importância da doação de órgãos e tecidos!

Não é mais rica, tampouco mais querida que antes, entretanto garante que é muito mais feliz que um dia sonhava ser!


*Para saber mais sobre transplantes de MEDULA e outros, dirija-se ao REDOME de sua cidade, que é ligado ao INCA - CLICANDO AQUI!

Essa história não tem bases reais; qualquer semelhança é pura coincidência!
Ao copiar, distribuir, replicar ou compartilhar cite a fonte, por favor!
Imagem/créditos: pixabay grátis

Este pequeno conto tem como finalidade conscientizar as pessoas da importância da doação de órgãos, tecidos e medula: Por Elane Ferreira de Souza (Advogada, blogueira e autora da fã page Diário de conteúdo Jurídico e do canal Advogada Elane Souza no YouTube); ahh, estamos também no JusBrasil com o DCJ.

---

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça um comentário ou envie uma pergunta

NEWSLETTER - SUBSCREVA

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner