18 de janeiro de 2016

As maiores "sujeiras" que "não encontramos" num quarto de hotel!


Imagine uma bela viagem de férias com estadias em hotéis de luxo ou que caibam no orçamento? Imaginou? 

Sentiu a paisagem e o ambiente?


Pois é, tudo isso parece lindo, afinal, ter gente para nos servir, arrumar nosso quarto e atender a nossos pedidos, até dentro da referida habitação, se assim desejarmos - é fantástico; mas tudo isso tem um preço, às vezes aparenta BARATO, todavia poderá sair caro demais!


Esse texto foi redigido há mais de dois anos; no entanto, acabamos de ver uma bela reportagem-teste realizada pelo Fantástico da Globo que se encaixa perfeitamente ao nosso texto, isso nos dá ainda mais credibilidade para expôr o que já expomos antes deles!

Veja a primeira reportagem (fantástico de 05-11.2017): 



Primeiramente um conselho para os "casca grossa", os estúpidos que se creem a "última bolacha do pacote" só porque, por sorte, em alguns momentos da vida conseguem se hospedar em bons hotéis e/ou frequentar belos recintos - CUIDADO!  Você pode ser a vítima perfeita de camareiros, garçons e empregados de bar.


Uma recente publicação (2015) revelou as pequenas vinganças feitas por empregados de hotéis e bares.  Um aplicativo chamado Whisper foi o meio utilizado por centenas de funcionários de hotéis para publicação de suas atitudes; pequenas vinganças aplicadas a hóspedes insuportáveis ou mesmo atitudes orientadas pela diretoria para economizar água, tempo, serviço e cumprir metas.



O referido aplicativo é um meio das pessoas publicarem seus "feitos" de forma anônima.  Ele tem sido uma excelente ferramenta que muita gente encontrou para confessar "pequenas travessuras" no mundo da hotelaria, coisa que grande parte das pessoas que viajam já devem saber de cor.



Como já disse antes, em algum de meus artigos, sou uma pessoa que gosta de viajar; quando posso e tenho recursos suficientes faço isso; todavia, também já tive oportunidade de compartilhar espaço com várias pessoas, de vários países, quando morava na Europa. 


Muitas dessas pessoas estudavam, outras apenas trabalhavam - eram imigrantes.  Duas delas se tornaram amigas e por serem camareiras de distintos hotéis na cidade de Lisboa acabei sabendo das coisas que acontecem nos hotéis.


Já me haviam dito que praticamente nunca lavavam os copos que ficam disponíveis em cima do frigobar e que, muitas das vezes, ao entrar nos quartos, enquanto os hospedes ainda estavam, para fazer a faxina diária encontraram esse referidos copos com dentaduras dentro.  


Ao saírem, elas, para se vingarem do próximo, mesmo sem antes conhecê-lo, não lavavam o copo, não o higienizavam - apenas passavam um pano, que podia ser, inclusive, o usado na cama pelo hóspede anterior.



Faziam isso e me diziam que, quando não era por raiva, ou por falta de tempo, era por preguiça mesmo!  Mas o mais interessante é que, muitas das vezes, a maioria das coisas nojentas a passar dentro dos quartos já são orientadas pela chefia.  


Exemplo do que passa em alguns (e não tem classe - vai de 0 a 5 estrelas chegando à Resots)

Um chefe diz para não trocar lençóis de um hóspede para outro se o lençol aparentar limpeza (apenas sacudí-lo para tirar o excesso de pó e possíveis cabelos e pelos); 

colchas que nunca são trocadas de um para outro e lavadas a cada seis meses ou ano, dependendo do estado dela; 

banheiros e box mal e porcamente higienizado, apenas passam um pano para secar e já colocam outro cliente (deixando o próximo à margem de germes e possíveis doenças), etc.


Agora imagine se você é um cliente chato e/ou bem exigente?  As pessoas que conheci, as que trabalhavam em hotéis e bares, diziam que nesses casos elas e seus colegas faziam horrores com o quarto dele.  Já se fosse num bar ou um pedido de comida no quarto, comiam um pouco no caminho. 


No entanto, quando a finalidade era para "sacanear" por vingança escondiam alguma nojeira dentro do prato -  não pensavam duas vezes em dar uma cuspada no suco ou encher a comida com uma escarrada, misturada a algum patê ou molho.



Mas, se você for uma pessoa muito gentil e generosa, de forma espontânea, não por medo de ser sabotado, também poderá ser recompensado com um "apgrade" na habitação. Trocas a mais e produtinhos de higiene especiais serão alguns pequenos mimos que você pode conseguir até por parte da camareira - mesmo sem autorização da chefia!



Cama feita em hotel



Todavia, não são apenas os hotéis a fazer vingança com clientes chatos.  Isso que vou contar agora "vi com meus próprios olhos" quando ainda vivia em Lisboa - tempo que trabalhei de garçonete ("empregadas de mesa").




Era um restaurante bastante chic - infelizmente mas não posso citar o nome para não colocá-lo no ridículo.



Nele havia o restaurante e um excelente bar na parte de baixo. Quando o movimento era grande e um cliente enchia muito o saco com exigências ou reclamações absurdas o pessoal da cozinha ou do bar lhes davam o "merecido"!    Não direi qual era o merecido, não vale a pena; mas, inclusive voltar com o prato sem fazer absolutamente nada o pessoal fazia - só para ver se aquilo de que o cliente reclamava era verdadeiro ou estava sendo chato pelo simples fato de gostar de ser chato....muitas vezes funcionou e, quando isso acontecia o cliente dizia que prato estava ótimo - quando na verdade sequer tinha sido mexido.



Dessa forma creio que a melhor maneira de fugir da maioria dessas nojeiras e atitudes hostis é ser simpático, gentil e generoso, em especial se você é um grande gastador, gosta de esbanjar num ambiente de luxo ou nem tanto. 


E por que digo isso?  Porque você está mostrando que tem e se tem e gasta muito, dá muito trabalho, e se dá trabalho tem que recompensar quem lhe serviu pois, apesar de dar lucro para o restaurante ou hotel você só se utilizou do trabalho de alguém - um mimo para o funcionário que atendeu não te fará mais pobre -CREIO EU!


Boas maneira, gentilezas, carisma e generosidade (e um pouco de desprendimento) não fazem mal a ninguém; agindo assim, seguramente te proporcionarão, a ti e aos teus, belos momentos de descanso numa habitação limpa e cheirosa como se estivesse em casa.  


Pior coisa do mundo é sair de nosso lar e "dar de cara" com um ambiente asqueroso, mal cheiroso, cheio de pelos suspeitos, lençóis manchados com sei lá o que, e nem sequer poder reclamar pois correrá o risco de piorar o que está ruim - infelizmente notamos, com tristeza no coração, que independe do nível do estabelecimento - locais aparentemente de nível social elevado praticam o mesmo comportamento hostil e desonesto com seus clientes.  Nesse texto me utilizei de outras reportagens como fontes, usei "depoimentos" (digo - declarações) de funcionários amigos meus e minhas próprias visões como hospede e como trabalhadora que fui na hotelaria de Portugal.  

Quando nomeei este artigo de: "As maiores "sujeiras" que "não encontramos" num quarto de hotel", pensava na sujeira e imundície que, quase sempre, está oculta (mas existe)!   

O ramo da hotelaria sabe muito bem "maquiar" o ambiente, o jeito é tomar cuidado  - verificar bem o ambiente no checkin (de preferência com uma lupa) pois, a sua viagem de férias pode se tornar uma pesadelo e não um belo divertimento - a não ser que você não se importe com baratas, piolhos, sarna, chato; aí a conversa é outra!




Por Elane F. de Souza , Advogada e autora deste Blog
Fonte vídeos: 1º do Youtube canal BR Fantástico (vídeo da Globo); e o segundo e último é do canal TV Jornalismo (com vídeo da Globo)

12 de janeiro de 2016

Cultura do saque! Carga de caminhão tombado não tem dono?



*Artigo publicado há 10 meses no JusBrasil por Elane Souza, autora deste Blog
Parece que não, pois, basta que um caminhão tombe pelas estradas desse país que a carga é logo saqueada por populares locais ou passantes. As pessoas sequer  se importam do que se trata a carga, mesmo que o valor seja ínfimo o “bonito é saquear”!
Cultura do saque Carga de caminho tombado no tem dono
Um povo que sai às ruas exigindo impeachment de um presidente por corrupção devia ter um mínimo de ética, de decência para fazê-lo, coisa que não tem.
* Ética, segundo Motta (1984) é definida como um “conjunto de valores que orientam o comportamento do homem em relação aos outros homens na sociedade em que vive, garantindo, outrossim, o bem-estar social”, ou seja, Ética é a forma que o homem deve se comportar no seu meio social.
* E a diferença prática entre Moral e Ética é que esta é o juiz das morais, assim Ética é uma espécie de legislação do comportamento Moral das pessoas.
A moral de um povo que saqueia, certamente, é uma moral distorcida; vivem num mundo que ainda não aprenderam a distinguir o que é do outro, e por mais que exista os códigos comportamentais de conduta na sociedade essas pessoas optaram por fechar os olhos e fazer o que bem entendem. - “Se eu não “saquear” (pegar) fulano pega, então pego eu”. Pensam assim pois, já sabem que se deixarem a carga onde está passa outro e leva; então, “pego eu que vi primeiro”.
O pior de tudo isso é a falta de noção de civilidade e amor ao próximo que essas pessoas têm. 

Certa vez, “navegando na internet”, vi um vídeo em que uma carga de refrigerante tinha tombado e o motorista estava preso nas ferragens, não se sabe se morto ou vivo, pois não havia médico ali para dar um parecer, só sei que, além do que filmava tudo existiam os que pilhavam a carga, teve gente que se deu o descaramento de “banhar-se” em refrigerante e dançar no meio daquele povo todo que carregava caixas e mais caixas de refrigerante, uns utilizavam até carrinho de mão. 

Agora me perguntem se alguém se importava ou lamentava o ferimento do motorista, ou sua aparente morte?
Cultura do saque Carga de caminho tombado no tem dono
Adicionar legenda
O povo brasileiro perdeu a sensibilidade (se é que algum dia teve) frente a essa violência toda que assola o país. Parece que estão se acostumando a ver tragédias, não se importam mais, só querem saber de se dar bem!

Carga de caminhão tombado tem dono sim

Geralmente as cargas têm seguro que cobre uma eventual perda por roubo, extravio, estrago e inclusive, saque, nesses casos de tombamento de veículo. No entanto, isso não quer dizer que a mercadoria deixa de ser do proprietário só porque ela “caiu” na estrada.
É muito mais fácil saquear a mercadoria que está “esparramada” no asfalto do que socorrer um ferido que agoniza. A prioridades, nesse mundo cão, foram invertidas, há muito.
Recentemente, um outro caminhão, desta feita carregado com eletrônicos tombou em uma curva no KM 14 da BR-166, em Campina Grande do Sul (segunda-feira (13.04), na região metropolitana de Curitiba. Após o tombamento grande parte da carga foi saqueada por motoristas que passavam pelo local, trazendo um prejuízo milionário para a seguradora. Com uma carga avaliada em R$ 1,4 milhão, o veículo saiu de São Paulo (SP) e tinha como destino final a cidade de Lajeado (RS). Toda a carga foi saqueada.
Após o tombamento a Polícia Rodoviária Federal (PRF) abordou na madrugada desta terça-feira (14) em Cajati (SP) um homem que havia participado do saque de uma carga de aparelhos de televisão.
O homem, de 49 anos de idade, dirigia uma Fiat Fiorino. Dentro do veículo, abordado pelos policiais rodoviários federais na altura do quilômetro 485 da BR 116, havia três aparelhos de TV LED de 32 polegadas, da marca Semp Toshiba. Ele admitiu ter participado do saque.
Dezenas de veículos participaram do saque. Quando a viatura da PRF chegou ao local do acidente encontrou apenas cacos de TVs quebradas. 

As pessoas que participam de saques de carga respondem pelo crime de furto ou de roubo?  No caso de furto, a pena prevista é de um a quatro anos de reclusão. Já o crime de roubo prevê reclusão de quatro a dez anos.
Outro caso, este mais “antigo”, foi o de um caminhão que transportava 29 toneladas de carne e tombou na BR-163, próximo ao município de Sorriso, distante 420 km de Cuiabá, na noite de quinta-feira (22-01-2015). Toda a carne que estava dentro do veículo foi saqueada por motoristas e moradores que passavam pelo local.
De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), muitas pessoas chegaram a fazer buracos na carroceria do caminhão para saquear a carne. Algumas delas carregaram pedaços nas costas na rodovia ou colocaram em seus veículos no momento em que percorria pela estrada.
Os policiais não conseguiram controlar a multidão, sendo que alguns dos agentes foram apedrejados pelas pessoas no local. Dessa forma, toda carga foi levada do caminhão.

*Caminhão tomba e carga de cerveja é saqueada na BR-259, no ES

Acidente aconteceu em Colatina e ninguém se feriu. Carga ficou espalhada e populares saquearam parte da carga (em 27/12/2014 14h59). Do G1 ES TV Gazeta
*Carreta carregada com cerveja tomba na pista e parte da carga é saqueada
Pessoas que viram o acidente aproveitaram para pegar as latas. Acidente foi na Rodovia do Contorno, em Marília (SP), nesta quinta-feira. Do G1 Bauru e Marília (em 16/04/2015 21h18)

*Caminhão de cachaça tomba próximo à Araguaína e tem carga saqueada

Segundo a PRF, o motorista perdeu o controle do veículo ao tentar passar por uma curva (07/04/15 17h18, por Site O Norte).
São tantos casos de saque por esse Brasil que se fôssemos citar todos não haveria tempo para mais nada.
O que se deve fazer em casos de acidentes com caminhões de mercadorias nas estradas é ligar para a PRE, PRF ou bombeiros; caso não haja outra coisa a fazer para ajudar.  Parar e saquear é coisa para criminoso e nós somos pessoas de bem, ou NÃO?
Autoria/comentários: Elane F. De Souza OAB-CE 27.340-B

NEWSLETTER - SUBSCREVA

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner